sábado, junho 18, 2005

será pacheco pereira um skin disfarçado ?

Crime, Violência, Raça, Sexo, Cultura e Nação
José Pacheco Pereira
Revista "Sábado" nº 47

«A ideia politicamente correcta de que não se deve nomear a cor, nacionalidade (no caso de imigrantes) ou qualquer outro pormenor que possa ser considerado racista, sexista ou xenófobo, nas notícias dos crimes, é só e apenas isso: politicamente correcta. Na prática, censura-nos uma informação que devíamos ter: a relação entre a criminalidade e os factores sociais e culturais onde ela encontra raízes. Nos crimes não há (não deve haver) desresponsabilização individual por razões "sociais" e muito menos "explicações" colectivas que desvalorizem o acto criminoso, e é insensato pensar que não há "meios" de cultura favoráveis que incluem hoje a cor da pele, a idade, os padrões de consumo "cultural", e o "ambiente", a ecologia dos sítios. É verdade para os lavradores que matam por águas e marcos do terreno, para os perdidos do mundo dos escritórios e da função pública que matam por ciúmes; para os mil e um "espertos" de todas as economias fora do fisco, sempre na linha entre a corrupção activa e passiva; para os ciganos, eternos vendedores e compradores de tudo o que se compra e vende; para as máfias da imigração, que exportam métodos expeditos de "protecção" e punição; e para os desenraízados violentos dos subúrbios negros e, a prazo, islâmicos.

As recentes mortes de polícias não foram obra de "bandos de pretos", mas uniram no assassinato duas realidades do crime: a nova criminalidade violenta e agressiva dos bandos negros de segunda geração, ou seja, portugueses filhos da primeira geração de imigrantes das nossas antigas colónias de África, e o submundo da "noite" do subúrbio, bares, casas de alterne, prostituição, tráfico de tudo, drogas e armas, economia paralela, ainda dominantemente caucasiano branco, ainda dominantemente português, embora a nova imigração de leste lhe dê um braço armado mais pesado.

Em ambos os casos as explicações "sociais" são mais que conhecidas, em particular para a nova criminalidade violenta ligada a grupos de jovens negros: vida de gueto, segunda geração sem a vontade de integração dos pais, sem a subserviência da emigração que veio da miséria absoluta e aceitava tudo, sentindo o racismo da sociedade branca como ninguém e respondendo-lhe com uma procura de identidade no crime e na violência. Muito centro comercial, muito filme americano, muito rap, muito jogo de vídeo, nenhuma escolarização, e, na cabeça, a violência como afirmação de força e identidade. É um problema sério cuja versão light se encontra todos os dias nos bandos que habitam o Colombo e outros centros comerciais, ou em que míudos assaltam míudos à porta de tudo o que é escola.

Depois há os grandes negócios clandestinos de sempre, a prostituição, a droga, as armas (este em crescendo), e todo um mundo de oportunidades na "indústria da noite", a dos ricos e a dos pobres. Uma nova riqueza consumista, dinheiro mal ganho por todo o lado, no "estado social", na economia clandestina da construção cívil, nos jeitos e "biscates", nas lojas que nascem e desaparecem sem que ninguém as perceba, na lavagem de muito dinheiro, tudo isto atrai uma competição sem tréguas, onde habitam personagens não muito distintas das da Quinta das Celebridades, quer as vindas de Cascais quer as da Brandoa.

Aqui Portugal mudou, e muito, e precisa de o compreender sem ser aos sobressaltos televisivos de cada crime. Precisa de outros polícias, outros magistrados e, num ou noutro caso, de novos procedimentos adoptados a uma realidade mais cruel. Mas precisa também de outras escolas e outros subúrbios, porque estes, feitos pela ilegalidade consentida de autarcas e governantes, vieram do crime e da pobreza e perpetuam o crime e a insegurança.»
.
.

Imaginem este texto escrito por um de nós ? Já os políticamente correctos se tinham sublevado , berrado , acusado ,exigido investigações , que fosse considerado proscrito , rotulado de nazi , já tinha sido identificado , fotografado para os registos dos criminosos perigosos pelo sis.
Só pode , aquela guedelha e barba são falsas , o Pacheco é um skin nazi da extrema direita disfarçado ! Só um skin nazi da extrema direita é que vinha a publico falar da insegurança que se vive , da necessidade de se parar a criminalidade , do problema que são para a nossa sociedade os imigrantes e a sua descendencia , chamar pretos aos pretos , exigir que se faça algo para mudar este filme que se vive na nossa Pátria.